sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Perfil

Ele está na frente de um espelho, de lado, de frente
até mesmo atrás é possível
requer somente um ângulo de visão
e você pode vê-lo
como uma janela aberta
um cinema feito de talvez
no embalo
de todos os sabores de uma música
e de nenhuma verdade equilibrada
através de um céu azul completo
e uma nuvem vazia de mudanças
com quilômetros de percepções
e tentativas de dizer
o que nem mesmo se sabe

Uma tela escura
de um computador desligado
uma imagem que nasce de novo
em cada memória que vai além do jeito
e retorna antes da qualquer ideia

Um coração que bate forte não esfria
quando o enxerga
e dedica ao que é bravo
e inesquecível
até mesmo
em microsegundos de visão

Não há necessidade de provas
tampouco repartir
os gestos que piscam
e se exibem entre olhares

A razão acaba com a arte
daquilo que quer ser visto
ou apenas sentido


Não é matéria possível
poucas vezes o toco
mas eu corro
e o encontro
toda vez
que mais longe eu estou

Ainda te lembro
porque
eu nunca gostei de esquecer
e nunca admirei
nenhum ponto final

Um comentário: